quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Revista Tico-tico


A revista O Tico-Tico foi lançada em outubro de 1905 a partir de um projeto desenvolvido pelo jornalista e cartunista Renato de Castro, juntamente com o poeta Cardoso Júnior e com o professor e também jornalista Manuel Bonfim. O grupo apresentou a proposta da revista a Luis Bartolomeu de Souza e Silva, dono do jornal Sociedade O Malho, que, além de receber a proposta com entusiasmo, ajudou a formatá-la, usando como inspiração as publicações européias do gênero. Em especial, a revista francesa La Semaine de Suzette, que entrara em circulação em fevereiro do mesmo ano.
Desde o início, a revista se caracterizou pela variedade de seções e informações que trazia dentro de suas páginas, dando conta de diversos aspectos da vida social que, segundo seus editores, eram necessários ao desenvolvimento das crianças.

Para saber mais: http://blogln.ning.com/profiles/blogs/revista-tico-tico-sandra-pina

6 Comments:

Manoel Trajano said...

Muito legal esse espaço.Adorei e voltarei sempre.
Bjs

Cris said...

Obrigada manoel pela visita e volte sempre mesmo,
bjos fraternos

Prof. Adinalzir said...

Oi, Cris! Olha eu aqui!

Para acrescentar mais...

O Tico Tico, foi a primeira revista de nível nacional a apresentar histórias em quadrinhos para o público infanto-juvenil. Lançada no Rio de Janeiro em 11 de outubro de 1905, sua primeira edição de dez mil exemplares se esgotou rapidamente. Sendo um verdadeiro sucesso.

A revista foi batizada com o nome Tico-Tico em homenagem à ave “passeriforme, fringilídea”, conhecida popularmente como Maria-Judia. Numa época em que não havia televisão, vídeo game, computador e o único som que se ouvia era o dos altos falantes nas ruas, ficar de castigo para uma criança, era ficar sem a Tico-Tico. A revista cultuou a mãe preta, valorizou os humildes, o amor ao Brasil e a identidade popular através de seus personagens e temas publicados; as crianças enchiam os olhos com as lendas, contos regionais e cantigas populares.

Em suas histórias e ilustrações, personagens como Zé Macaco, Faustina, Chiquinho, Reco-Reco, Bolão e entre outros, encantavam as crianças daquela época. A revista apresentou desde o início inovações visuais e gráfica abrindo espaço para ilustradores.

A revista foi fundada pelo desenhista italiano, naturalizado brasileiro, Agostini, que falecera cinco anos depois do lançamento do Tico-Tico, tendo a colaboração de outros desenhistas como J.Carlos, Alfredo e Oswaldo Storni, Ivan Rodrigues, Monteiro Filho, Luiz Sá, Max Yantok e Aqcuarone.

Em 1906, o Tico-Tico já era sucesso nacional, manteve o preço de duzentos réis até 1920, registrando ao longo de suas publicações o espírito brasileiro e influências nos primeiros cinqüenta anos do século XX. Além de quadrinhos, em suas páginas as crianças encontravam passatempos, mapas educativos, textos da literatura juvenil e informações históricas.

A revista se extinguiu nos fins da década de 50, mas ficou registrada a evolução gráfica e artística de sua obra e sua preocupação em informar e entreter os jovens daquele tempo. Em 2005, a Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro, realizou uma exposição completa para comemorar os 100 anos de lançamento da revista e sua presença histórica na imprensa brasileira. Eu estive lá e adorei!

Algumas outras fontes:

Exposição “Tico-tico lá cá – A leitura de uma época”.Biblioteca Nacional – 01/2005

Texto de Fernando Rebouças sobre a exposição “Tico-Tico lá e cá” publicado no portal www.ligazine.com.br em 2005.

E pesquisa complementar em www.universohq.com

Beijos! :-)

Cris said...

Valeu professor e obrigada por complementar o post.

bjos

victoria said...

Gracias amigo Criss por compartir la página de la revista tico,gracias por tu lavor para las pesonas desaparecidas.lo que me demuestras que tienes un grán corazón,gracias por ser como eres.Con todo mi cariño desde España Victoria

Cris said...

Victoria muchas gracias, pero no hablo mui bien su lengua. Gracias por tuya palabras de cariño.

bjos

Cris